Comissão Executiva Nacional


Presidenta Nacional do PT

Gleisi Hoffmann

Paraná

Gleisi Helena Hoffmann nasceu em Curitiba, Paraná, em 6 de setembro de 1965. É casada com o ex-ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e mãe de João Augusto e Gabriela Sofia. Gleisi iniciou sua caminhada política ainda na adolescência, participando de grêmios estudantis, e integrou a União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas.

Fez parte da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas e filiou-se em 1989 ao Partido dos Trabalhadores (PT). É formada em Direito e tem especialização em Gestão de Organizações Públicas e Administração Financeira.

Sua experiência profissional concentra-se na gestão pública e na vida política. Gleisi já foi secretária de Estado no Mato Grosso do Sul e secretária de Gestão Pública no município de Londrina, no Paraná. Também integrou, em 2002, a equipe de transição de governo do presidente Lula, ao lado da então ministra Dilma Rousseff.

Com a vitória de Lula à Presidência da República, em 2002, foi convidada ao cargo de Diretora Financeira da Itaipu Binacional, onde aprimorou os seus conhecimentos em gestão pública.

Gleisi Hoffmann implementou diferentes medidas de caráter estruturante na empresa. Introduziu o conceito de gestão integrada de todos os sistemas financeiros de Itaipu; promoveu a adoção do pregão eletrônico nos lados brasileiro e paraguaio; e, em todos os momentos, valorizou a economicidade e modicidade das tarifas.

Gleisi fortaleceu as relações com o lado paraguaio da administração, o que culminou com a inclusão – por Notas Reversais entre os dois países – dos aspectos de meio ambiente e de responsabilidade social no perfil da empresa.

Teve, assim, papel decisivo na ampliação da missão da Itaipu Binacional, que incorporou a seu papel de geradora de energia também a dimensão de importante propulsora de desenvolvimento econômico.

Durante esse período, contribuiu para o desenvolvimento de vários projetos de cunho social, como o Projeto Casa Abrigo de Foz do Iguaçu. Por iniciativa de Gleisi, a Itaipu Binacional em parceria com a ONG Casa Família Maria Porta do Céu, implementou a Casa Abrigo para mulheres e seus dependentes vítimas de violência doméstica e em risco de morte.

Ela também foi idealizadora de outros programas, como o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente (PPCA), cujo foco principal é apoiar as ações e articular a rede de proteção à criança e ao adolescente na região fronteira Brasil/Paraguai, combatendo a prostituição infantil.

Ainda sob a gestão de Gleisi foi criado o Programa Saúde na Fronteira, para integrar as ações de saúde, principalmente os aspectos preventivos como vacinação infantil entre os dois países.

Gleisi Hoffmann também coordenou o Programa de Pró-Equidade de Gênero e Raça em Itaipu Binacional, que tem o objetivo de promover a igualdade de oportunidade entre homens e mulheres no âmbito das organizações públicas e privadas, e eliminar todas as formas de discriminação no acesso, como remuneração, ascensão e permanência no emprego.

Em 2010, Gleisi Hoffmann tornou-se a primeira mulher eleita para ocupar uma vaga no Senado pelo Paraná, com mais de 3 milhões de votos. Em junho de 2011, a presidenta Dilma Rousseff convidou-a a assumir a chefia da Casa Civil da Presidência da República, função que desempenhou até fevereiro de 2014, quando, então, retornou para sua vaga no Senado Federal.

Os direitos das mulheres estão entre as prioridades do mandato de Gleisi Hoffmann no Senado. Entre as matérias apresentadas por ela estão a proposta que viabiliza a aposentadoria das donas de casa, a reserva de 50% das vagas nos parlamentos para as mulheres e a que assegura a abertura de processo contra agressores de mulheres, sem necessidade que a vítima preste queixa. Mas o projeto mais comentado de Gleisi, aprovado em 2013, é o que extinguiu o pagamento de 14º e 15º salários aos senadores e deputados federais.

Ao longo de 2016, Gleisi presidiu a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Em fevereiro de 2017, foi eleita por unanimidade pela Bancada do PT para a função de líder dos senadores da legenda na Casa.

Em junho de 2017, foi eleita Presidenta Nacional do Partido dos Trabalhadores.

Líder do PT no Senado

Lindbergh Farias

Rio de Janeiro

Lindbergh Farias é filho da professora universitária Ana Maria Nóbrega Farias e do médico e professor universitário Luiz Lindbergh Farias e nasceu em João Pessoa, capital da Paraíba. Em 1987, com 18 anos, ingressou na faculdade de Medicina da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), época em que começou sua trajetória política como militante do PCdoB.

Após mudar-se para o Rio de Janeiro, em 1991, Lindbergh ingressou na União Nacional dos Estudantes (UNE) como secretário-geral. No ano seguinte, assumiu a presidência da entidade, liderando o movimento dos cara-pintada, que levou ao impeachment do então presidente da República Fernando Collor de Mello.

Em 1994, aos 24 anos, foi eleito deputado federal pelo PCdoB e, por seu desempenho no mandato, recebeu nota 10 do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP). Em 1996, é eleito presidente nacional da União da Juventude Socialista (UJS). Aderiu ao trotskismo em 1997 e ingressou no Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU).

Na Câmara dos Deputados, destacou-se na articulação das manifestações contra a privatização da Companhia Vale do Rio Doce e do Sistema Telebrás. Na venda da Vale, Lindberg participou do protesto em frente à Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. No leilão das telefônicas, enfrentou a polícia na passeata.

Em 1998, Lindbergh tentou se reeleger deputado federal, sem sucesso. Mesmo obtendo 73 mil votos, não conseguiu uma vaga na Câmara porque o PSTU – legenda pela qual concorreu – não atingiu coeficiente eleitoral. Pelo mesmo motivo, em 2000, não pôde assumir o cargo de vereador, embora fosse o quarto mais votado do Rio de Janeiro, com 47 mil votos.

A convite de do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, decidiu, em 2001, filiar-se ao Partido dos Trabalhadores (PT). E nas eleições de 2002, elegeu-se deputado federal com 83 mil votos. Dois anos depois, disputou a prefeitura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Tornou-se prefeito, com 65% dos votos, e foi reeleito, em 2008, permanecendo no cargo até 2010.

No dia 3 de outubro de 2010, Lindbergh Farias foi eleito senador pelo Rio de Janeiro, ficando em 1° lugar. No Senado Federal, destacou-se em debates sobre os direitos da pessoa com deficiência e nas discussões sobre as regras de partilha dos royalties do petróleo – motivo pelo qual escreveu o livro “Royalties do Petróleo: As Regras do Jogo”, publicado em 2011 pela editora Agir.

Atualmente, é líder da bancada do Partido dos Trabalhadores no Senado.

Líder do PT na Cãmara dos Deputados

Paulo Pimenta

Rio Grande do Sul

Pimenta é jornalista e técnico agrícola formado pela UFSM. É o deputado federal mais votado do PT/RS na Câmara Federal, pela segunda vez consecutiva.

Pimenta iniciou sua trajetória no Movimento Estudantil, na luta pela redemocratização do País. Em 1985, Pimenta assumiu a presidência do DCE da UFSM, e no ano seguinte foi vice-presidente da União Estadual de Estudantes do Rio Grande do Sul – UEE/RS.

Foi eleito vereador em Santa Maria em 1988 e reeleito em 1992. Chegou à Assembleia Legislativa do RS em 1998. Vice-prefeito de Santa Maria de 2000 a 2002, Pimenta foi eleito deputado federal em sua primeira disputa para a Câmara e no mesmo ano em que os brasileiros elegeram Lula Presidente para dar início à transformação do Brasil em um país mais justo.

Foi reeleito em 2006, 2010 e 2014. No Governo da Presidenta Dilma Rousseff, entre 2012 e 2013, foi Presidente da Comissão Mista de Orçamento, a mais importante do Congresso Nacional.

Na Câmara Federal, Pimenta foi também Presidente da CPI do Tráfico de Armas; relator da CPI da Violência Urbana no Brasil; Presidente da Comissão de Legislação Participativa; e coordenador da Bancada Gaúcha do Congresso Nacional.

Em pesquisa realizada no Congresso, Pimenta obteve nota máxima entre os parlamentares que melhor utilizam as redes sociais para prestar de contas do seu mandato à sociedade brasileira.

Iniciou em 2015 o seu quarto mandato na Câmara dos Deputados.

Alberto Cantalice

Rio de Janeiro

Alberto Cantalice é filiado ao PT desde 1990 e foi presidente do Diretório Estadual do Rio de Janeiro por dois mandatos. De 2003 a 2015 esteve à frente da coordenação nacional das redes sociais do partido. Atuou desde 2015 como Secretário Nacional de Comunicação do PT,  integrando todo o movimento de comunicação institucional desenvolvido pelo partido. Atualmente, é vice-presidente e Adjunto da Secretaria Nacional de Comunicação.

Alcione Comonian

Minas Gerais

Alcione Comonian é natural de Belo Horizonte (MG) e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 2000.

Alexandre Padilha

São Paulo

Alexandre Padilha é médico formado pela Unicamp e especialista em Infectologia pela USP, foi criador do Mais Médicos, ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e secretário da gestão Haddad em São Paulo. Paulistano, cresceu nos bairros do Butantã e Parque Regina/ Campo Limpo e hoje é morador do Centro. Como ministro da Saúde, implementou o Farmácia Popular e a vacina contra o HPV.  Na gestão Haddad, como Secretário da Saúde, implementou o Conselho da Cidade, o Conselho Participativo, os Hospitais Hora Certa e o de Braços Abertos. Foi médico supervisor do Núcleo de Medicina Tropical da USP e acompanhou a formação de médicos residentes e estudantes nas comunidades ribeirinhas, rurais e indígenas da Amazônia no final dos anos 1990. Pesquisou novos tratamentos para malária pelo Fundo de Doenças Tropicais da Organização Mundial de Saúde (OMS) e atuou como gestor federal na área de saúde indígena.

Carlos Árabe

São Paulo

Carlos Árabe é filiado ao PT desde 1985. Economista, com mestrado e doutorado em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É Secretário Nacional de Comunicação do Partido dos Trabalhadores.

Ellen Costa

Piauí

Ellen Costa é natural de Imperatriz (MA) e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 2012

Emidio de Souza

São Paulo

Emidio de Souza é formado em Direito, mas iniciou sua vida profissional trabalhando em metalúrgicas de Osasco (cidade da Grande São Paulo) e municípios vizinhos, nas quais começou a militância no movimento sindical. Participou da criação do PT e da CUT. Foi duas vezes prefeito de Osasco, três vezes vereador e atuou como deputado estadual em duas oportunidades.

Fátima Cleide

Rondônia

Fátima Cleide exerceu o mandato de senadora entre 2003 e 2010. Graduada em Letras, filiou-se o PT-RO em 1988, onde foi duas vezes presidenta do partido. Foi ainda secretária-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia (Sintero).

Gleide Andrade

Minas Gerais

Gleide Andrade é graduada em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) e mestranda em Políticas Públicas pela Fundação Perseu Abramo (FPA). Foi coordenadora nacional da Campanha pela Reforma Política promovida pelo partido. Ex-secretária de Finanças do PT de Minas Gerais, ocupou cargos na administração democrática popular da prefeitura de Belo Horizonte (gestões Patrus Ananias e Fernando Pimentel). É ativista e militante do Partido dos Trabalhadores desde 1986.

Ivan Alex Lima atua no PT desde os 13 anos e é filiado há mais de 27 anos. Esteve na assessoria especial do governador da Bahia, Rui Costa, e na chefia de gabinete do deputado federal Valmir Assunção. Foi também secretário de Comunicação e Tesoureiro do PT na Bahia. Desenvolveu sua trajetória no partido sempre ao lado dos movimentos sociais, frentes populares, sindicatos e núcleos agrários da Bahia.

 

José Nobre Guimarães é advogado e ocupa pela terceira vez consecutiva o cargo de Deputado Federal.

Foi  Líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados em 2013, conduzindo os 89 deputados federais na aprovação do programa Mais Médicos e do marco regulatório do setor portuário (MP dos Portos). Antes, coordenou a bancada do Nordeste, em 2012, e atuou como vice-líder do Governo Dilma Rousseff na Câmara, em 2011.

No seu primeiro mandato como deputado federal, entre 2007 e 2010, foi vice-líder da bancada do PT e, também nesta época, coordenou a Bancada do PT nas comissões de Finanças e Tributação da Câmara e Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Guimarães é um dos mais atuantes parlamentares na defesa do projeto petista e do crescimento do País e do Nordeste. Relatou projetos importantes na Câmara, como a Medida Provisória 527/11, que criou o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), para as obras da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, e teve papel decisivo na aprovação da Política de Valorização do Salário Mínimo.

A militância do deputado Guimarães, no entanto, não começou na Câmara dos Deputados. Sua estreia foi no Centro dos Estudantes Secundaristas do Ceará (CESC). Depois dirigiu o Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua, do curso de Direito, da Universidade Federal do Ceará, onde se formou.

Guimarães tem uma trajetória de luta no movimento sindical e no Comitê Brasileiro pela Anistia. Como bancário, esteve na linha de frente da histórica greve de 1979. Teve também forte participação na Campanha pelas Diretas Já, no Ceará, em 1983.

Filiou-se ao PT em 1985 e, no mesmo ano, coordenou a campanha vitoriosa de Maria Luiza à prefeitura de Fortaleza. Presidiu o PT cearense de 1991 a 2000 e coordenou as campanhas de Lula em 1989 e 2002.

Assumiu o mandato de deputado estadual em 2000 e foi reeleito em 2002. Na Assembleia Legislativa do Ceará, Guimarães participou das principais comissões da Casa e foi o relator-geral do Orçamento do estado em 2004.

José Guimarães chegou à Câmara dos Deputados em 2006, com o respaldo de ter sido o deputado federal mais votado do PT do Ceará. Em 2010, foi o segundo deputado federal mais votado no seu estado e o mais votado do PT, com 210,3 mil votos distribuídos por todos os 184 municípios cearenses.

Em 2014, Guimarães alcançou a marca de segundo deputado mais votado em todo território nacional,  reeleito com o voto e apoio de 209.032 cearenses. e ficou entre os 30 mais sufragados em todo País.

Juçara Dutra Vieira

Rio Grande do Sul

Juçara Dutra Vieira é formada em Letras e doutora em Políticas Públicas e Gestão da Educação Básica. Integrou o Conselho Técnico-Científico da Educação Básica da Coordenação de Aperfeiçoamento Superior (Capes) e foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.

Luiz Dulci

Minas Gerais

Luiz Dulci foi ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República durante os oito anos de governo Lula. Atualmente, como diretor do Instituto Lula, é responsável pela Iniciativa América Latina. Mineiro de Santos Dumont, é um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, membro de sua primeira Executiva Nacional e um dos responsáveis pelo manifesto de Fundação e o Programa do partido. Fez parte da primeira bancada de deputados federais do PT (1983-1987) e presidiu a Comissão de Trabalho e Legislação Social da Câmara dos Deputados. Foi Secretário de Governo na prefeitura de Belo Horizonte na gestão de Patrus Ananias e Secretário de Cultura do prefeito Célio de Castro. Presidiu a Fundação Perseu Abramo (1996-2003), foi um dos coordenadores da campanha de 2002 e vice-presidente e Secretário-Geral do PT.

 

Luizianne de Oliveira Lins, cearense de Fortaleza, nasceu em 18 de novembro de 1968. Jornalista e professora universitária, é filha de mãe professora e pai militar. Cresceu na Capital, bairro da Maraponga, e possui três irmãos e um filho.

Deputada Federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT), eleita para a legislatura 2015/2019, foi prefeita de Fortaleza por duas gestões (2005/2012). Ocupa, desde 2015, a relatoria da Comissão de Combate à Violência contra a Mulher do Congresso Nacional.

Na Câmara, criou a Frente Parlamentar Mista em Defesa das Políticas Públicas de Juventude e é membro das comissões de Desenvolvimento Urbano, Turismo, Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, Comissão de Turismo e Comissão de Cultura.

Pelo Partido dos Trabalhadores, foi vereadora de Fortaleza (1996/2002) e deputada estadual (2002/ 2004). Jornalista formada pela Universidade Federal do Ceará (UFC), é professora concursada do mesmo curso desde 1995, hoje licenciada.

Iniciou sua militância política nos corredores da UFC, no movimento estudantil. Foi presidente do Centro Acadêmico de Comunicação Social da UFC (1989/1990) e presidente do Diretório Central dos Estudantes da UFC (1991/1992). Em 1993, foi diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Filiada ao Partido dos Trabalhadores desde 1989, foi secretária estadual de Juventude (1992/1994), secretária estadual de Mulheres (1995/1997), presidente do PT Fortaleza (1999/2001) e presidente do Diretório Estadual (2010/2013).

Foi ainda servidora pública da Empresa Municipal de Limpeza e Urbanização de Fortaleza (1988/ 1998) e trabalhou como pesquisadora, supervisora e vice-coordenadora do Instituto de Pesquisas Datafolha. Foi conselheira fiscal do BNDES (2013/2014).

Marcio Macedo

Sergipe

Márcio Costa Macêdo é biólogo pela Universidade Federal do Sergipe. Foi eleito deputado federal nas eleições de 2010. Ele ocupou o cargo de presidente dos Diretórios Municipal de Aracaju e Estadual de Sergipe do PT. Foi ainda secretário municipal de Participação popular de Aracaju e superintendente do Ibama em Sergipe. Entre 2007 e 2010 foi secretário do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do estado de Sergipe na gestão do então governador Marcelo Déda. Em 2015 foi escolhido para ocupar o cargo de tesoureiro do PT.

Markus Sokol

São Paulo

Markus Sokol é economista e dedicou-se à organização independente dos trabalhadores; participou da construção da Oposição Metalúrgica de SP; foi delegado no Congresso de Fundação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e organizou as campanhas pela Ratificação da Convenção 138 da OIT (proibição do trabalho infantil) e contra a Alca.

No PT desde a fundação, organizou o Diretório Municipal de São Paulo e foi secretário de Comunicação da campanha de Lula à Presidência da República, em 1994. Participou também da delegação ao Haiti pela retirada das tropas brasileiras da Minustah, em 2008.

Micaela Costa

Rio de Janeiro

Micaela Costa é natural de Belford Roxo (RJ) e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 2006.

Moara Correia Saboia é natural do Recife (PE) e é engajada desde a adolescência em coletivos feministas e no movimento negro. Estudante cotista de Engenharia Civil da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e vice-presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), sua experiência impulsionou sua trajetória no movimento estudantil.

Mônica Valente é  psicóloga e foi presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (Sindsaúde-SP) e vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Entre 2001 e 2002 foi chefe de gabinete da prefeitura petista de Marta Suplicy na cidade de São Paulo e, entre 2002 e 2004, secretária de Administração e Gestão Pública. Ela atuou também como assessora técnica Legislativa na área da Saúde na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Najara Leite Bento

São Paulo

Najara Leite Bento é natural de Birigui (SP). Militante em Araçatuba e integrante da Juventude do PT, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 2008.

Paulo Teixeira

São Paulo

Paulo Teixeira é graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Foi eleito deputado estadual em 1994 e 1998. Exerceu os cargos de Secretário Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano do Município de São Paulo (2001-2004) e Diretor-Presidente da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo – COHAB (2003-2004). Em 2004 foi eleito vereador da cidade de São Paulo. Desde 2007 exerce o mandato de deputado federal, eleito consecutivamente em 2006 e 2010. Na Câmara dos Deputados, foi líder do PT na casa em 2011.

Renato Simões

São Paulo

Renato Simões foi Secretário Nacional de Movimentos Populares e Políticas Setoriais do PT.  Trabalhou como Secretário de Governo na Prefeitura de Campinas e foi Assessor Especial para Participação Social na Secretaria-Geral da Presidência da República e na Secretaria ade Governo. É natural de Campinas, onde iniciou sua militância na Pastoral da Juventude, nas CEBs – Comunidades Eclesiais de Base e na Pastoral Operária. Formado em Filosofia na PUCCAMP, fez pós-graduação em Direitos Humanos na Faculdade de Direito da USP, no Largo São Francisco. Como deputado estadual por três mandatos, de 1995 a 2007, criou a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, que presidiu por 10 anos, e instituiu o Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos. Foi vice-presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Assembleia e líder da bancada do PT. Também Presidiu o PT Campinas e foi Secretário Estadual de Formação Política do partido.

Romênio Pereira

Minas Gerais

Romênio Pereira é um dos fundadores do PT,  tendo iniciado sua trajetória política na luta sindical, no início dos anos 1980. O atual cargo lhe impõe a responsabilidade de coordenar, em sintonia com a Presidência Nacional do PT, o conjunto da atividade partidária nacional, articulando os organismos e instâncias nacionais do partido, relacionando e unificando o leque de tarefas das secretarias e setoriais nacionais. Romênio tem se dedicado a também representar o partido em importantes agendas internacionais com partidos de esquerda da América Latina, Europa e Ásia.

Sara Prado

Bahia

Sara Prado é natural de Feira de Santana (BA) e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 2011.

Silvana Donatti

São Paulo

Silvana Donatti, filiada ao PT desde 1981, é natural de São Carlos (SP), onde exerceu por duas vezes o mandato de vereadora. Foi presidenta do PT São Carlos, secretária geral e secretaria de Assuntos Institucionais do PT Estadual de São Paulo.

Vilson Oliveira

São Paulo

Vilson Oliveira foi Secretário Nacional de Assuntos Institucionais e diretor de promoção de direitos humanos da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República-SDH/PR, e assessor especial da Ministra da SDH/PR Maria do Rosário. Também atuou como dirigente Zonal, Municipal e Estadual do PT de São Paulo, onde foi Secretário Estadual de Assuntos Institucionais, Secretário Geral e Secretário de Formação no diretório estadual. Também atuou nas administrações petistas de Luiza Erundina e Marta Suplicy, na capital paulista. No Legislativo, foi assessor na Câmara Municipal, Assembleia Legislativa de São Paulo e na Câmara Federal, com o deputado Arlindo Chinaglia.