Paulo Rocha

Governantes e Parlamentares / Senador / Pará

Paulo Rocha, eleito senador pelo Pará em 2014 com 1.566.350 votos, traz a marca de negociador em seu perfil. Durante os cinco mandatos exercidos na Câmara dos Deputados, o parlamentar foi líder da bancada do PT e presidente das comissões do Trabalho e da Amazônia. Hoje com 65 anos, o sindicalista nascido em Terra Alta, no centro-oeste paraense, tem formação em artes gráficas.

Desde 1º de fevereiro de 2015, quando assumiu o mandato no Senado, Rocha tem entre as suas prioridades a defesa do desenvolvimento sustentável na Amazônia, que passa pelo investimento em ciência, tecnologia e inovação capaz de gerar conhecimento, a partir da biodiversidade regional.

Enquanto deputado, foi autor de oito propostas que posteriormente se tornaram leis que beneficiam os trabalhadores. Entre elas, participou da criação da legislação que cria o seguro-defeso – que assegura um salário mínimo por quatro meses ao pescador artesanal durante o período de reprodução de crustáceos e peixes.

Foi também um dos autores do projeto de lei que regulamentou a profissão dos Agentes Comunitários de Saúde, além da que combate o trabalho escravo – um dos mais graves problemas sociais da Amazônia.

Na Câmara dos Deputados, Rocha foi um dos principais interlocutores do Legislativo com o governo Lula, sendo coordenador da bancada do Pará e da Amazônia. Foi a favor de grandes projetos que beneficiam o Norte do Brasil, como a dos elevadores hidráulicos (conhecidas como eclusas) para transpor a barragem da hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins – uma das mais importantes obras do governo do presidente Lula.

Filho de pai lavrador e mãe professora primária, começou a trabalhar desde cedo e ajudava a cuidar dos irmãos. Durante a adolescência, formou-se na Escola Salesiana do Trabalho, no bairro de Sacramenta, em Belém, a capital paraense.

Morou na escola durante dez anos, onde se tornou instrutor de arte gráfica. Tipógrafo, impressor e laboratorista, imprimiu na Escola Salesiana panfletos contra a ditadura militar, chegando a ser preso nessa época por 12 horas pela Polícia Federal.

Rocha foi ainda líder do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Gráficas e ajudou a fundar o PT e a criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Pará, sendo o primeiro presidente da entidade no estado. Em 1990, foi eleito deputado federal pela primeira vez, com votos de todos os municípios paraenses.

Exerceu cinco mandatos consecutivos na Câmara Federal e presidiu várias comissões temáticas, incluindo a Comissão da Amazônia.