Postado por Agência PT, em 17 de março de 2016 às 10:10:54

O vazamento dos grampos de conversas telefônicas entre a presidenta Dilma Rousseff e novo ministro da Casa Civil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite desta quarta-feira (16), foi veementemente repudiado por parlamentares e líderes de diversos partidos políticos.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) foi um deles. Para ele, o Juiz Sérgio Moro cometeu um atentado ao estado de direito. “Não é papel de um juiz incendiar um País”, enfatizou.

“Muito além da Presidência da República, o que está sendo colocado em jogo hoje é a democracia no Brasil, a estabilidade do País e as instituições do estado. A grande imprensa e o judiciário não podem atuar como partido político”, afirmou Pimenta.

MORO COMETE UM ATENTADO AO ESTADO DE DIREITO. ENTENDA AS ILEGALIDADES COMETIDAS POR ESSE JUIZ/MILITANTE. “Não é papel de um juiz incendiar um país”.Assista e Compartilhe#PauloPimenta #FazAconter #NaoVaiTerGolpe

Publicado por Paulo Pimenta em Quarta, 16 de março de 2016

Além do vazamento do áudio, a própria gravação da conversa entre Lula e Dilma foi ilegal, afirma o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), em vídeo postado em suas redes sociais.

“Estão querendo criar é um embrião de estado de exceção dentro do estado democrático direito. E esse juiz Sérgio Moro decidiu fazer política. Ele só vazou isso porque Lula foi indicado como ministro da Casa Civil. Ele quis, irresponsavelmente, convulsionar o País. É importante dizer que o que ele fez foi ilegal”, ressaltou.

COMPROVADO: GRAVAÇÃO DE CONVERSA DE LULA E DILMA É ILEGAL!Por decisão de Moro, Às 11:12 da manhã foi interrompida a interceptação telefônica do Lula. A conversa entre ele e a presidenta Dilma ocorreu às 13:32, ou seja, mais de duas horas após a ordem de interrupção do grampo. É a prova do crime! Vejam mais detalhes na matéria a seguir:http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/03/16/gravacao-entre-dilma-e-lula-foi-feita-depois-de-moro-decidir-pela-interrupcao-do-sigilo.htm?cmpid=tw-uolnot

Publicado por Lindbergh Farias em Quarta, 16 de março de 2016

Na avaliação da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), há um golpe em curso no Brasil. “Isso que nós denunciávamos há muitos meses vem se configurando claramente na extrapolação da competência técnica do Judiciário, através do juiz Sério Moro, que se transforma cada vez mais em um ativista político. Grampo telefônico tem situações criteriosas pela lei e a divulgação dele é absolutamente proibida por lei”, comenta.

Golpe em curso.

Publicado por Jandira Feghali em Quarta, 16 de março de 2016

Como Jandira, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) concorda que há um golpe em curso e um grave atentado à democracia. Segundo ela, o termo de posse entregue ao ex-presidente Lula não era um salvo-conduto.

“Este documento é uma importante prova de que a assinatura do Termo de Posse pelo ex-presidente Lula não era para ficar consigo, como se fosse um salvo-conduto. O termo só tem validade após a assinatura da Presidenta. É mais uma prova concreta da manipulação que tentam impor ao país para disseminar o caos”, afirmou.

GRAVE ATENTADO À DEMOCRACIA: HÁ UM GOLPE EM CURSOEm nítida retaliação à legítima decisão de Dilma de convidar o…

Publicado por Maria Do Rosário Nunes em Quarta, 16 de março de 2016

“O que está acontecendo hoje é um golpe de estado promovido pelo juiz Lava Jato”, condenou o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ).

GOLPE DE ESTADO promovido pelo juiz lava jato.O que está acontecendo hoje é um GOLPE DE ESTADO promovido pelo juiz lava jato.

Publicado por Wadih Damous em Quarta, 16 de março de 2016

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), também comentou a interceptação telefônica feita pela Polícia Federal.

“Há limites legais que, quando quebrados, resultam em grandes erros. Infelizmente é o que, nesse momento, acontece com operação Lava-Jato. Muito difícil que a legalidade dessa interceptação telefônica seja confirmada quando do exame sereno e técnico das provas daí advindas. Tenho desde o inicio apontado a importância da Lava-Jato. Mas regras constitucionais e processuais não podem ser quebradas. Lamento muito. Chegamos a uma grave crise institucional. Sem serenidade, difícil sair dela sem a destruição do Estado Democrático de Direito”, escreveu.

Há limites legais que, quando quebrados, resultam em grandes erros. Infelizmente é o que, nesse momento, acontece com…

Publicado por Flávio Dino em Quarta, 16 de março de 2016

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), garante que o Brasil vai reagir a essa tentativa de golpe.

“O Brasil que resistiu corajosamente ao golpe de 64 assiste perplexo a um novo ataque ao Estado Democrático de Direito. Diversas personalidades do campo jurídico já se posicionaram contra essa arbitrariedade do Juiz Sérgio Moro, de afrontar a Constituição. Trata-se de uma operação conjunta de uma oposição desesperada, parte da mídia monopolizada e um juiz autoritário, que se unem para tentar promover uma convulsão social, visando concretizar um golpe contra nossa jovem democracia. Estamos indignados, mas não vamos nos intimidar. É hora de transformar nossa indignação em resistência. Vamos à luta em defesa da democracia, do mandato da presidenta Dilma e da história do ex-presidente Lula. Todos às ruas no dia 18! Não vai ter golpe!”, convocou a petista.

Fátima: O Brasil vai reagir à tentativa de golpe!O Brasil que resistiucorajosamente ao golpe de 64 assiste perplexo a…

Publicado por Fátima Bezerra em Quarta, 16 de março de 2016

“O juiz Sérgio Moro ao divulgar um grampo ilegal que atinge a Presidência da República tem como objetivo fugir do processo legal para estimular uma convulsão social e interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Isso é intolerável. A investigação deve ser feita, mas jamais ultrapassando o seu limite dentro do Poder Judiciário. Todos devem estar vigilantes para reagir nas ruas. O Brasil não tolera mais ato de força,” avalia o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA).

O Brasil não tolera mais ato de força“O juiz Sérgio Moro ao divulgar um grampo ilegal que atinge a Presidência da República tem como objetivo fugir do processo legal para estimular uma convulsão social e interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Isso é intolerável. A investigação deve ser feita, mas jamais ultrapassando o seu limite dentro do Poder Judiciário. Todos devem estar vigilantes para reagir nas ruas. O Brasil não tolera mais ato de força,” avalia o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA).

Publicado por PCdoB na Câmara em Quarta, 16 de março de 2016

Para a presidenta do PCdoB, deputada Luciana Santos, esta foi mais uma demonstração do uso político da Operação Lava Jato.

Mensagem à militância

Publicado por Luciana Santos em Quarta, 16 de março de 2016

Por Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias